30
Jun
11

The end… always the end.

A hora de dizer adeus, até já…
Foram anos de escrita, de leituras, sobretudo de partilha. Na hora de dizer adeus, um pequeno nó, a tristeza. A tristeza, sobretudo a tristeza.
Mas por outro lado a esperança de que esta será uma curta pausa, o fim da primeira temporada. Não podia ser de outra maneira, o fim derradeiro seria demasiado doloroso.

Durante cinco anos criei aqui um espaço pessoal que cresceu conforme eu cresci, que esteve em baixo quando estive doente, que me fez companhia quando estive sozinho. Partilhei com todos vós o meu sucesso, os meus erros, as minhas fotografias e um pouquinho da minha vida. Hoje, incapaz de continuar de forma a que a escrita continue um prazer, despeço-me até já. Ali ao virar de 2012 sou capaz de voltar ou antes se as saudades apertarem e o tempo permitir.
Perdi horas incontáveis à procura de mais um artigo para partilhar, um vídeo para publicar, não me arrependo. Tive e tenho a companhia de leitores fiéis que lamento abandonar, comentários extraordinários, discussões incríveis. Mas a vida segue em frente, inexorável.

Hoje dedico-me a 100% ao colectivo e à produção fotográfica. Sigo em frente com a reconstrução do site pessoal que irá sofrer uma alteração para nova plataforma. Começo a desenhar os primeiros projectos em colectivo, as primeiras parcerias, ainda não nasceu e já o colectivo começou a receber convites para trabalhos e são janelas que se abrem uma vez, não duas, não três, uma oportunidade única de trabalhar com um conjunto de pessoas focadas e interessadas em desenvolver um trabalho único. A ver vamos…
Mantenho o “in every light”, o meu caderno de rascunhos, de técnicas, de equipamentos, esse segue o seu rumo em frente. Começa-se a desenhar o site e blogue do colectivo, o logotipo está pronto, o resto está encaminhado.

Mas este era o “original”, o único, o que tinha um lugar especial no meu coração. E espero que no vosso. Obrigado a todos os que me acompanharam nestes últimos cinco anos da minha vida, agradeço tudo o que me ensinaram. Obrigado.

Até já ou até sempre!

19
Jun
11

Novos talentos Fnac

13
Jun
11

Aaron Schuman and Charlotte Cotton…


Uma das mais estimulantes e interessantes conversas sobre fotografia a emergir do projecto “What’s next” da revista Foam. A versão completa está na revista online Seesaw cujo director é precisamente Aaron Schuman.

One thing that I find fascinating about what’s happening right now – and I suspect that this will gain importance in future – is that rather than photography representing the capture or culmination of something, it’s becoming a form of instigation. For me, the most interesting works coming out right now – even if they’ve been formalized in the form of a book, an exhibition, a print or a website – represent the beginnings of something. They’re not simply an end result, or the remnants of something that has past and been preserved in silver gelatin, emulsion, or ink; they’re starts, sparks, or seeds from which many other things might grow.
Aaron Schuman

One way that you could define photography in terms of democracy is that anyone can make a picture; billions are made every year, so it’s clearly very easy, and I’m happy to admit that photography is very democratic in terms of its rendering. But as a meaningful cultural force it should not be described as being democratic, because culture is a process of defining what’s good – what’s resonant – and that’s not determined by a democratic or even an empirical system. So I’m not happy with the idea that, just because it’s easy to render a photographic image, anyone can make a great, culturally resonant photograph. Those processes are not democratic; at some point there is an elitism involved, and I think that such elitism is only a problem if you think in terms of its high-art version, in which there are millions of reasons why you might not be allowed entry into that world. But a group of people who all really get the same thing – whether its photography, or music, or skateboarding, or whatever form of collective culture – if that’s elitist, it’s in an entirely different league. It’s about self-elected elitism rather than the elitism of an establishment.
Charlotte Cotton

09
Jun
11

Blue blood – Foals


Os Foals… Uma banda indie que descobri quase por acaso que me ficou a tocar nos tímpanos, o vídeo tem imensa graça. Um pop escorreito a deslizar para um alt rock de primeira linha. Se estivesse no Facebook diria Gosto!, aqui publico.

Bom fim de semana! E não se esqueçam de fotografar. Muito de preferência.

08
Jun
11

Entropia

Entropia
(francês entropie)
s. f.
1. Fís. Medida da desordem de um sistema.
2. Fís. Medida da quantidade de energia que não é convertida em trabalho mecânico.
3. Desordem ou imprevisibilidade.

Isto é uma pequena palavra que define bem os meus últimos dias, por mais que me esforce nada parece terminado, há sempre qualquer coisa mais para fazer e no final de cada dia fica a sensação de que muito ficou por fazer…
Galeria, colectivo, projectos novos, trabalho em excesso (é a época de férias) e uma nova colaboração em preparação. Acredito que sem trabalho nada aparece mas neste momento sinto um overload em que tudo se arrasta mas as perspectivas de futuro, isso sim alegra-me. Sobretudo o colectivo, algo em que me tenho empenhado a 100% mas acredito que uma nova colaboração num projecto antigo será bastante interessante porque me vai tirar, fotograficamente falando, fora da minha zona de conforto.

Nos próximos dias irei experimentar uma nova forma de crítica a livros – algo em que estou notoriamente atrasado – e uma remessa de livros da Book Depository chegou (graças a um desconto de verão muito interessante) e preciso mesmo de pôr a casa em ordem para recomeçar esse trabalho.
Os livros – monografias em particular – são de facto a minha perdição, não consigo resistir durante muito tempo à tentação de comprar um ou dois ou três ou quatro… E é um facto que se acumula aqui por casa uma colecção eclética, variada e muito diversa que atravessa várias décadas da fotografia e será um pena que não consiga partilhar com os meus leitores algumas dessas obras. Seria terrível não o conseguir.

06
Jun
11

Marc Lagrange

© Marc Lagrange

O trabalho de Marc Lagrange faz-me lembrar o de Helmut Newton e contém uma sensualidade muito intensa. Lagrange consegue uma fotografia muito consistente, sensual, bela e com bom gosto. Tem fotografias muito diferentes do habitual no género e só isso seria suficiente mas de facto é um trabalho a todos os níveis admirável e original. Muito bom.

02
Jun
11

Martine B

© Martine B
Às vezes apetece-me correr os olhos por um conjunto de imagens pelo prazer da fotografia, sem preocupações de maior do que disfrutar das fotografias à minha frente. O fotoblogue da francesa Martine B permite-nos isso, um trabalho amador inspirado que apetece olhar.




mário venda nova

contactos:

tlm 965 275 830

skype: elogiodasombra

"eu não quero saber se sou o primeiro a dar a notícia, só me preocupo em ter a informação correcta e fazê-lo bem. Essa é uma pressão diária."

larry king

trabalhos pessoais


mariovendanova.com
[este é o meu sítio pessoal onde estão os meus projectos já consolidados e acabados]

in every kind of light
[aqui estão os rascunhos dos meus projectos correntes e inacabados]

publicação de fotos

todas as fotografias pertencem aos respectivos autores assinalados e são publicadas apenas no estrito interesse do comentário e crítica sobre fotografia.

recursos


Loja 'o elogio' na Amazon
[larga variedade de livros de e sobre fotografia. se comprar via este link recebo uma pequena percentagem.]

Loja 'o elogio' na Amazon.com (EUA)
[igual ao link acima mas para a loja da Amazon EUA, de todas as compras continuo a receber uma pequena percentagem.]

Monochrom
[loja boutique, com artigos que não se encontram noutras lojas. os pápeis de impressão fine-art são bons.]

arquivo

stats


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.