17
Abr
07

Interview with Richard Wanderman.

Richard Wanderman is a great nature photographer. I found his website on Flickr and his photographs started to grow on me. I appreciate the stillness and quietness of his photos and the strong sense of composition, simple is the word that pops to my mind when i think of his work. Simple yet powerful, it’s nature at its best.

How do you started taking photographs and why?

I’ve been making photographs most of my life but I got serious about it during my years as both a student and a teacher at the University of Oregon.
I have a BFA and an MFA in fine and applied arts from the University of Oregon where I studied ceramics, design, and photography and taught ceramics, basic design, and computer applications for artists.
In the late 1970’s, after personally discovering the power of personal computers to aid in writing and learning, I became a pioneer in advocating their use especially for children with language learning problems. My career as a professional artist and art educator was put on hold for twenty years while I spread the word on technology in education. In the process, I joined advisory boards of numerous companies including Apple Computer, Inc. and AlphaSmart, Inc.
I was also a pioneer in the use of digital image capture as an educational tool for art students. In the early 1980s, before digital cameras came to the consumer market, I used a variety of video and still cameras and early digitizing hardware to allow students to capture and manipulate images in real time, taking the time-lag of traditional photography out of the learning process.
My current photographic work is the beginning of My re-entry into the art and photography world, and because of my background with technology, I’m heavily involved in the virtual photographic world as well. I’ve been actively involved in flickr (a popular photo sharing community) since its founding and I run both a weblog dealing with the technical aspects of photography and a photoblog where I displays my work.

In your opinion, what makes a good photo?

This is a totally subjective question (in my opinion) and there is no agreed upon set of criteria that make a good photograph. I can only give you my subjective opinion. I find it difficult to separate a photograph or any visual or performing art from the context in which it is created and the intentions of the artist/performer creating it. When I know something about a photographer’s ideas and vision for his work then I can better assess whether his photographs work for me. This is on top of the technical aspects of the image and the print. One might have a perfectly exposed and well printed photograph that just doesn’t work as fine art or as photojournalism (or, I don’t think so anyway). So, a good photograph is all of these things wrapped up in one print, well thought out and well displayed in a way that connects with me.
I think it’s important to make a distinction between an image displayed on a screen (posted on a web site or seen locally) and an image that’s printed. I print images and don’t consider one of my photographs complete until I’ve successfully printed it because that’s my desired end for my images. That said, not all images that look great on screen look great printed and how we deal with this continues to interest me. Because printing is important to me, when you ask what makes a good photograph I consider the care with which the image is printed to be part of that. Many “modern” photographers print their images as an afterthought through an online fulfillment house. Sometimes these prints are fine, even great, but not always. So, in deciding if a photograph is “good” I’d like to see prints, not images on a screen.

What makes you want to capture a photo? What you must see in a subject to make you release the shutter?

Sometimes I have an idea and I go out in the world to make it happen. Other times I take a walk and find things in the world.
The important thing is for a photographer (or painter or any visual artist) to have have enough experience looking at the world, looking at photographs, and have a large enough vocabulary of visual possibilities and photographic ideas to draw from in thinking about capturing images. This is sometimes called “a good eye” but I prefer to think that at least some of what many people think artists are born with can be learned through experience. Not everyone is willing to go after the experience: take art history courses, visit museums and galleries often, read art and photography books, and study photographers of old and new. This helps a lot and while no amount of reading about painting will ever make me Picasso, I think any photographer who is dedicated and focused can improve his craft and “eye.”
When I have an idea of a particular place at a particular time I go there during that time and do my best to make the image that I had in mind. Sometimes this works, sometimes not.
Or, I take a walk in a place that I know will have things I find interesting to photograph and sometimes I see something, many times I finish the walk having taken no photographs.
I look for contrast, interesting light, color, and out of the ordinary point of view. I see nothing wrong with capturing things that others might call cliche, if for no other reason than to learn to make a great cliche, but I tend to avoid what might be thought of as “classic” photographs.

Do you have a routine to take the photos for your projects or you just let it happen and see where it takes you?

I both have routines and I also improvise. Again, if I have something in mind, I generally run a routine: landscape images require tripod, certain times of day, warm clothing for standing around waiting for the light, etc. Walking around New York looking at architecture or reflections on glass buildings requires knowing a bit about reflectivity, when the best time of day to shoot which buildings is, and being able to move around quickly on foot (tripods don’t work well on the streets in New York, nor does standing around waiting for a shot).

At the end of a shooting session how do you choose the photos that are worth to show in your portfolio?

I burn a CD or DVD of everything as I’m not always a great photo editor on first pass and some things I’ve thrown away or rejected I sometimes find useful and interesting later.
But, that said, I generally have something in mind when I’m reviewing a set of images from a particular shoot so I sort them out (Aperture on a Mac) accordingly.

Name a few photographers that inspired you and your work and why they inspired you.

Ansel Adams because his process was so clean and clear and his images are spectacular in print form. He remains one of the better photo printers I’ve ever seen.
Edward Weston because he could make the mundane regal. His printmaking was also spectacular.
Irving Penn for his platinum prints, Worlds in a Small Room, flowers, and fashion. An incredible studio photographer.
Sam Javanrouh (topleftpixel.com) because he consistently produces beautiful work, day after day.

How digital technology changed the way we look at photography as art?

I’m not sure the addition of the digital aspect of photography has helped move us along in the age old argument about whether photography is a “fine art” or something else but the digital camera and digital post processing has opened up the photographic process to many more people than ever before and this, I think, is great.
Traditional photography with view cameras and/or manual 35mm cameras with a wet printing process still produces images and prints that even the highest end digital processes can hardly compete with. However, because the tradition process is so cumbersome by comparison and takes so long and involves considerably more technical knowledge up front, few people took part in it and the learning curve was steeper and the feedback loop longer.
In a word, the digital process makes the learning feedback loop almost instantaneous which means that if one works hard and takes a lot of images, adjusting, learning, editing, shooting more, one can much more quickly get closer to what one wants. The end result may not be quite as good, but it’s a lot easier to get to a decent end result.
I no longer own any film cameras (even though I know its in vogue to own and use them) and have no desire to do wet printing ever again. I’m delighted with the digital process and I know that it has allowed me to improve more as a photographer and printer than the older process would have simply because I now do more of it.

rwanderman_landscape
© 2007 Richard Wanderman – Angevine Farm Stream and Woods.
Links:
Richard Wanderman website.
Richard Wanderman blog.

~pt~

Richard Wanderman é um bom fotografo de natureza. Encontrei o seu website no Flickr e fui sendo conquistado pelas suas fotografias. Aprecio a quietude e a tranquilidade das suas fotos e o seu sentido de composição fotográfica, simples é a palavra que me ocorre para descrever o seu trabalho. Simples mas eficaz, é a natureza no seu melhor.

Como começou a fotografar e porquê?

Eu sempre fotografei ao longo de toda a minha vida mas levei a fotografia mais a sério durante a minha vida académica na Universidade do Oregon, como aluno e professor.
Eu tenho formação académica em Arte pela Universidade do Oregon, onde estudei cerâmica, design e fotografia e onde leccionei cerâmica, design básico e informática para artistas.
No final dos anos 70, depois de descobrir as potencialidades dos computadores para escrever e aprender, tornei-me num pioneiro no seu uso particularmente por crianças com dificuldades de aprendizagem. A minha carreira como artista e professor foi posta de lado durante 20 anos enquanto espalhava a palavra do uso da tecnologia na educação. Trabalhei como consultor em várias companhias como a Apple e a AlphaSmart.
Fui também um pioneiro no uso da imagem digital como uma ferramenta educacional para os estudantes de arte. Nos inicío dos anos 80, antes das câmaras digitais chegarem ao mercado de consumo, usei várias câmaras de vídeo e fotografia e componentes de digitalização para permitir aos alunos capturar e editar as imagens em tempo real, retirando o tempo de espera da fotografia tradicional do processo de aprendizagem.
O meu trabalho fotográfico corrente é a minha reentrada no mundo da arte e da fotografia, e devido ao meu envolvimento com a tecnologia, estou também embrenhado no mundo da fotografia virtual. Estou envolvido activamente no Flickr desde a sua fundação, tenho um blogue e um site, onde discuto aspectos técnicos e onde exponho o meu trabalho, respectivamente.

Na sua opinião o que faz uma boa fotografia?

Na minha opinião é uma questão subjectiva e não há consenso sobre os critérios para definir o que é uma boa fotografia. Só posso dar a minha opinião subjectiva. Acho dificil separar uma fotografia ou qualquer arte visual do contexto em que foi criada e das intenções do artista. Quando conheço as ideias e visão de um fotógrafo posso decidir melhor se a sua arte é boa. Isto acima dos aspectos técnicos e da impressão. Pode existir uma boa fotografia técnicamente e bem impressa que depois não funciona como arte ou como foto-jornalismo (pelo mesmo é o que eu penso). Assim, uma boa fotografia é isto tudo depois de bem impressa e exposta duma maneira que me sensibilize.
Penso que é importante distinguir entre uma imagem vista no ecrã (na web ou no próprio computador) e uma imagem impressa. Eu imprimo as minhas imagens e não considero as minhas fotografias completas até as conseguir imprimir com sucesso porque essa é a finalização que eu desejo para as mesmas. Disto isto, nem todas as imagens que são boas no ecrã se conseguem imprimir bem e a maneira como lidamos com isto interessa-me.
Porque a impressão é tão importante para mim, quando pergunta o que faz uma boa foto eu levo em consideração a qualidade com que a mesma foi impressa. Muitos fotógrafos “modernos” imprimem as suas imagens através dum processo on-line, numa casa especializada. Às vezes estas impressões são razoáveis, até boas, mas nem sempre é o caso. Assim, para decidir se uma fotografia é boa, eu gosto de ver impressões e não imagens num ecrã.

O que que o leva a captar uma fotografia? O que é que precisa de ver no tema para premir o botão do obturador?

Às vezes tenho já uma ideia e saio para a rua para a concretizar. Outras vezes vou passear e encontro as coisas.
O mais importante para um fotógrafo (ou pintor ou qualquer artista visual) é ter experiência de olhar para o mundo, ver fotografias e ter um vocabulário suficientemente rico de possibilidades visuais e ideias fotográficas para se basear quando capta imagens. É isto que alguns chamam ‘o olhar’ mas eu prefiro pensar que aquilo que alguns acham ser uma característica com que os artistas nascem pode ser aprendida através da experiência. Nem todos estão disponíveis para ir atrás da experiência: fazer cursos de história da arte, visitar museus e galerias amiúde, ler livros de arte e fotografia e estudar os fotógrafos clássicos e os modernos. Isto ajuda muito e mesmo que toda a leitura do mundo não me transforme num Picasso, penso que um fotógrafo que é dedicado e concentrado pode melhorar a sua perícia e ‘olhar’.
Quando tenho uma ideia sobre um local particular numa época particular eu vou lá nessa época e faço o meu melhor para fazer a imagem que levo na cabeça. às vezes isto resulta, às vezes não.
Ou, vou para um local que sei que irá ter assuntos interessantes para eu fotografar e às vezes encontro algo, mas muitas vezes acabo o passeio sem uma única fotografia.
Eu procuro o contraste, luz interessante, cor e um ângulo fora do comum. Não vejo nada de errado em captar algo que alguns poderão de apelidar de cliché, nem que seja para aprender a fazer um bom cliché mas procuro evitar o que se pode chamar de fotografias ‘clássicas’.

Tem alguma rotina para reunir as fotos para os seus projectos ou deixa-se levar pelos acontecimentos?

Tenho algumas rotinas e também improviso. Se tiver alguma coisa em mente, sigo uma rotina: paisagens requerem um tripé, ser fotografadas em certas horas do dia, roupa quente para estar à espera da luz, etc. Andar em Nova Iorque a ver a arquitectura e os reflexos nos edifícios envidraçados requer alguns conhecimentos acerca da reflexão, qual é a melhor altura do dia para fotografar determinado edifício e ser capaz de se movimentar rapidamente (os tripés não funcionam muito bem nas ruas de Nova Iorque nem estar parado à espera da melhor altura para fotografar).

No final de uma jornada de trabalho como escolhe as fotografias que irão constar no seu portfolio?

Gravo um CD ou DVD de tudo porque nem sempre consigo fazer uma boa edição logo na primeira passagem e algumas fotografias rejeitadas acabam por fazer sentido mais tarde.
Dito isto, geralmente já tenho alguma coisa em mente quando estou a ver um conjunto de imagens por isso escolho-as de acordo com isso ( através do Aperture num Mac).

Mencione alguns fotógrafos que o inspiram e o seu trabalho e diga-nos porquê.

Ansel Adams porque o seu processo era tão limpo e claro e as suas imagens impressas são espectaculares. Permanece um dos melhores impressores que já vi.
Edward Weston porque transformava o mundano em algo fora do comum. As suas impressões também são espectaculares.
Irving Penn pelas suas impressões ‘platinium’, Worlds in A Small Room, flores e moda. Um fotógrafo de estúdio incrível.
Sam Javanrouh (topleftpixel.com) porque produz um trabalho consistentemente belo, dia após dia.

Como é que a tecnologia digital mudou a maneira como vemos a fotografia como arte?

Não tenho a certeza que a introdução do digital nos tenha feito avançar na velha discussão se a fotografia é ‘fine art’ ou outra coisa qualquer mas as câmaras digitais e o pós-tratamento digital abriram os processos fotográficos a mais pessoas do que nunca e isso é, na minha opinião, bom.
A fotografia tradicional com câmaras de grande formato e/ou de 35mm manuais conseguem produzir imagens e impressões com que os processos digitais de gama alta mal conseguem competir. No entanto como o processo tradicional é tão trabalhoso e leva tanto tempo e necessita de maiores conhecimentos técnicos, poucas pessoas o faziam, a aprendizagem era mais longa e os resultados demoravam mais a aparecer.
Resumindo, o processo digital permite uma aprendizagem quase instantânea o que significa que se a pessoa trabalhar arduamente e fizer bastantes imagens, ajustar, aprender, editar, captar mais, pode chegar mais perto daquilo que pretende. O resultado final pode não ser tão bom mas é muito mais fácil obter um resultado decente.
Eu já não tenho câmaras de filme (muito embora agora estejam muito em voga) e não tenho intenções de voltar a imprimir no quarto escuro. Estou encantado com o processo digital e sei que me permitiu evoluir muito mais depressa como fotógrafo e impressor do que o processo antigo me poderia permitir porque agora faço-o muito mais vezes.

Advertisements

3 Responses to “Interview with Richard Wanderman.”


  1. Abril 18, 2007 às 12:24 am

    gostei da entrevista, acompanho o trabalho do Richard direto no blog dele já faz algum tempo, sugiro mudar esse fundo porque além de dificultar pra ler ele tá todo errado se repetindo aqui no Safari

  2. Abril 18, 2007 às 9:29 pm

    Caro Daniel já experimentou aumentar um pouco o tamanho da sua janela do Safari? É que é de certeza isso que está a causar o seu problema. Depois informe-me dos resultados.
    Quando ao resto ainda bem que gostou da entrevista.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


mário venda nova

contactos:

tlm 965 275 830

skype: elogiodasombra

"eu não quero saber se sou o primeiro a dar a notícia, só me preocupo em ter a informação correcta e fazê-lo bem. Essa é uma pressão diária."

larry king

trabalhos pessoais


mariovendanova.com
[este é o meu sítio pessoal onde estão os meus projectos já consolidados e acabados]

in every kind of light
[aqui estão os rascunhos dos meus projectos correntes e inacabados]

publicação de fotos

todas as fotografias pertencem aos respectivos autores assinalados e são publicadas apenas no estrito interesse do comentário e crítica sobre fotografia.

recursos


Loja 'o elogio' na Amazon
[larga variedade de livros de e sobre fotografia. se comprar via este link recebo uma pequena percentagem.]

Loja 'o elogio' na Amazon.com (EUA)
[igual ao link acima mas para a loja da Amazon EUA, de todas as compras continuo a receber uma pequena percentagem.]

Monochrom
[loja boutique, com artigos que não se encontram noutras lojas. os pápeis de impressão fine-art são bons.]

arquivo

stats