01
Out
07

Nikon D3 e D300.

Não são propriamente notícias novas mas também não há na internet (e muito menos nos sítios de fotografia portugueses) muita gente que realmente tenha tido algum contacto fisíco com as máquinas. Na DPreview já é possível ler as primeiras impressões sobre as máquinas com modelos de pré-produção e já existem alguns testes com essas máquinas, quer na rede quer na imprensa escrita. Mas estão sujeitos a confirmação com as máquinas de produção, o que deve acontecer dentro de umas semanas.

Primeiro vamos à D3. A D3 é a primeira máquina full-frame da Nikon, com o tamanho do sensor CMOS muito próximo do negativo 35mm (24×36). O sensor é fabricado pela própria marca ao contrário dos restantes sensores que são feitos pela Sony e tem uma resolução de 12,1 Mp. É uma máquina vocacionada para o segmento profissional ou para amadores com dinheiro suficiente para investir 4.600€, com uma ergonomia pensada e estruturada para essa utilização, uma construção a toda a prova e um peso a condizer: cerca de 1,300 kg. Tem um processador Expeed novo, um novo LCD de 3″ com LiveView que permite, tal e qual como numa compacta, compor a fotografia e fazer a focagem no ecrã, uma vantagem em espaços apertados ou posições incómodas; este novo ecrã tem uma resolução de 922.000 pixeis, o que permite verificar as fotos com alguma segurança. Outro factor curioso é que esta máquina detecta automaticamente as lentes DX (próprias para os sensores mais pequenos) e utiliza parte da área do sensor e consegue captar fotografias com estas lentes, mas usando apenas 5 Mp de resolução. O que espero desta máquina? Excelente qualidade de imagem, gestão de ruído e qualidade de construção. O resto vemos quando a máquina chegar às lojas, para já tudo ainda é prematuro dado que ainda não há máquinas de produção, todos os testes têm sido realizados com máquinas de pré-produção (o mesmo se aplica à D300). Mas tudo indica que a D3 será uma revolução na gestão de ruído e na qualidade de imagem, será uma verdadeira máquina de viragem na tecnologia Nikon. Se o preço fosse mais baixo…

E agora chegamos ao território onde estou mais à vontade para falar, ou seja vamos lá dissecar a D300. Como possuidor de uma D200 encaro a D300 mais como uma evolução do que uma revolução (ao contrário da D3), mas isso era o esperado. Mas o que me surpreendeu mais foi a falta de uma máquina full-frame na gama média para combater a Canon 5D. E aqui a Nikon está num aperto curioso porque se considerarmos que o corpo Canon se está a vender à volta do 2.600€ e a D300 se vai situar nos 1.800€, o que a Nikon vai fazer para ‘meter’ uma máquina full-frame neste segmento? É que os 12Mp parecem-me o máximo de resolução para meter num sensor APS-C, a menos que a transição para um sensor CMOS tenha a ver com essa situação e a Nikon ainda espere meter mais alguns Mp de resolução nesse sensor…talvez, e isto é um grande talvez, ainda haja espaço para mais 2Mp. E a diferença de preço entre a Canon 5D e a Nikon D3 são uns 2.000€, o que não é de desprezar.
A D300 é uma máquina mais evoluída do que a D200 e incorpora muita da tecnologia que está na D3: o mesmo processador, o mesmo ecrã LCD LiveView, o mesmo sistema autofocus de 51 pontos, o mesmo sistem de medição RGB de 1.005 px, além de uma construção robusta, um prisma com 100% de visão (o que permite visualizar exactamente o mesmo que vai ficar registado no sensor), uma melhor gestão de ruído do que a D200, a mesma bateria desta e um corpo idêntico em tamanho e peso. Em relação à D200 o sensor é um CMOS mas com o mesmo tamanho APS-C, logo com o mesmo factor crop de 1.5x, o que quer dizer que é uma máquina do mesmo segmento, com uma resolução superior em 2Mp e mais algumas novidades tecnológicas. Para obviar o constrangimento pelo facto de estar a substitur a D200 passado apenas dois anos de a ter introduzido (e em muitos mercados a D200 só esteve disponível a partir de Abril/Maio de 2005), a Nikon vai manter a produção das duas máquinas em simultâneo até ao final de 2007, a partir daí não se sabe. Mas fica no ar uma sensação de fustração que o factor novidade da D300 não consegue disfarçar: a questão do full-frame neste segmento. Se os profissionais não podem neste momento passar sem o full-frame (pelo menos alguns), o que dizer dos amadores que têm uma D200 e a querer complementar com uma máquina full-frame? Vão continuar a ser ‘empurrados’ para a Canon 5D ou a Nikon ainda tem alguns trunfos na manga? Isto não quer dizer que o full-frame seja a panacéia que vem resolver todos os problemas dos aficionados da paisagem e levanta uma questão aos fotógrafos amadores de natureza muito interessante: um amador com uma lente de 300mm, com a D200/D300 fica com um ângulo de visão similar a uma 450mm. Sabendo que uma 300/f2.8 custa 5.900€ e uma 400/f2.8 cerca de 11.000€, não é difícil perceber que os sensores pequenos são as tele-objectivas dos menos afortunados como eu que não têm hipóteses de as rentabilizar e por isso a sua compra é incomportável!

Não posso, claro, estar a dizer o que cada um deve fazer mas expresso aqui a minha modesta opinião: a Nikon que me perdoe mas eu passo a D300, porquê? Porque aguardo uma D300/D400 FX full-frame ou então que uma D3x seja introduzida com uma resolução superior e que a Nikon baixe o preço da D3. Se recordam a velhinha F801 (o modelo da Nikon na gama amador avançado na década de 90) e que foi substituída pela F90, passou-se exactamente o mesmo: máquina idênticas, alguns melhoramentos e uma estética similar. Logo a seguir o que a Nikon fez? Lançou a F100, essa sim uma verdadeira bomba. Hoje ninguém fala da F90 como uma máquina revolucionária da Nikon, esse papel ficou para a F100. Vejo algumas semelhanças no presente estado das coisas e os 1.800€ da D300 no meu caso podem ser aplicados na compra de uma nova lente ou aguardar o que a Nikon vai fazer a seguir. Lá para meados do próximo ano devemos ter boas novas…

Links:
D3.
D300.
Teste por cliff Mautner.
A shot with a D3 and Q&A on my Nikon D3 experience (por Scott Kelby).
Imagens de teste da Nikon USA.

Advertisements

25 Responses to “Nikon D3 e D300.”


  1. 1 Paulo Moreira
    Outubro 31, 2007 às 11:37 am

    Boas,

    Não sei se concordo muito com o seu comentário. Sou um Nikonista convicto, tenho 8 corpos Nikon, desde a FM’s, F3 a F-90X. Não tenho nenhuma Nikon digital porque não estou para sacrificar a minha gama optica de grandes angulares (começam em 14mm) e já ando a aguardar há muito tempo por uma full frame Nikon abordável. Eu não tenho dúvidas que o formato APS-C me chegaria e sobraria em termos de qualidade, é mesmo uma questão de aproveitar o meu parque de objectivas Nikon. Pessoalmente nunca acreditei no formato APS digital, nunca passou duma manobra para aproveitar das ruinas do colapso do APS filme, alguns elementos mecânicos e finalmente rentabilizar o custo desse investimento.

    No entanto, tenho dúvidas que a Nikon avance com uma full frame de médio de gama. Primeiro, a EOS 5D não vende bem, tem uma carreira discreta e creio que só existe para ajudar a amortizar os custos de produção da Mark III, sim porque ninguém dúvide que partilha muitas peças código. O segmento da EOS 5D é tão pequeno, que do ponto de vista comercial, mais vale que os outros estejam sem concorrência do que fazer um produto para perder dinheiro. Em segundo lugar, a Nikon ia lançar uma full-frame médio de gama que iria canibalisar a D-3. Se o mesmo sensor fosse oferecido numa D-300, que restaria à D-3? Penso que isso poderá acontecer no dia em que a D-3 evolua para 20 MPX e aí sim, já fá sentido oferecer uma D-300 FULL!

    Na sua apreciação das Nikon dos anos 80 que eu tanto gosto, concordo que a 801 foi uma revolução fantástica, a F-90 uma decepção, a F-90X uma demonstração como se pode corrigir de maneira magistral o que se fez mal! Pessoalmente, até porque tenho acesso às entranhas dos corpos Nikon, os 2 modelos são muito semelhantes, as diferenças estão mesmo na electrónica e fazem a diferença!
    Eu bem gostava duma DSLR, Nikon claro, mas por este andar, estou a ver que nunca mais tenho uma! Se fosse um utilizador EOS, já tinha o meu problema resolvido!

    Cumprimentos

    Paulo Moreira

  2. Novembro 1, 2007 às 5:39 pm

    Paulo, o seu comentário é bom e está bem fundamentado mas permita-me discordar de si em alguns pontos.

    Eu não tenho dúvidas que a Nikon vá lançar um full-frame de gama média, aliás os prótotipos já circulam por aí, o Thom Hogan já o confirmou. Quanto ao facto da D300 full-frame ir canibalizar a D3, não acredito, primeiro pela diferença de preços entre as duas máquinas e depois porque se destinam a segmentos diferentes com construção e capacidades diferentes. A F100 canibalizou o mercado da F5? Não me parece…Mas concordo consigo de a Nikon poderá lançar uma D300 FX na mesma altura que actualizar a resolução da D3.
    A Canon 5D não me parece residual, será de facto em relação às 40D e 30D mas é um mercado apetecível para todas as marcas e não tenho dúvidas que outras a seguirão, nomeadamente a Sony que agora se quer chegar aos lideres de mercado. Para mim o mercado irá evoluir para full frame no profissional e no amador exigente e aps-c no resto, não tenho dúvidas disso mas só o tempo o dirá quando é que essa transformação se irá efectivar mas suspeito que estamos a falar de uma janela temporal de dois a três anos.

    Compreendo o seu problema em adquirir uma D200 ou D300, a sua 14mm ficaria transformada numa 21mm, eu não passei por esse problema porque a minha grande angular era uma 24mm e assim pude investir numa Nikon 12-24/f4, portanto esse problema passou-me ao lado. Agora a experiência que tenho com a D200 permite-me dizer que com essa máquina tiro 100% partido das lentes fixas que tenho, e ainda são algumas, e fiz a transição para o digital sem sobressaltos. Em termos de qualidade de imagem e facilidade de trabalho estamos conversados, o digital vence o filme em todos os campos.

    Obrigado pela sua colaboração e um abraço.

  3. 3 Luis Murtinha Ferreira
    Dezembro 9, 2007 às 4:34 pm

    É normal que a D300 comprima os Jpeg de máxima qualidade a 4,6M? É que um cartão de 2G passa a armazenar 466 fotos. Obrigado.

  4. 4 Paulo Moreira
    Janeiro 4, 2008 às 2:50 pm

    Como lhe disse acima, nunca gostei do formato APS. Prometeram máquinas compactas, objectivas mais luminosas e nada disso aconteceu! A D-300 é uma “matracona”, faz a minha F90-X parecer anã! Eu espero sinceramente que a Nikon lance um full format abordável e vou mesmo esperar pela D400 ou seja qual for o nome! Eu nada tenho contra o digital, não me compreenda mal, em termos de facilidade, estamos mesmo falados. Já na qualidade de imagem, ainda há caminho a percorrer! Mas a coisa vai lá!

    Abraço!

  5. Janeiro 6, 2008 às 6:16 pm

    Paulo, em termos de facilidade, estamos mesmo falados, nada supera o digital! Em relação à imagem, na cor o digital já é igual ou melhor do que o melhor diapositivo Velvia (em 35mm), em p&b o filme ainda é superior ao digital mas quando começarem a sair cá para fora sensores que apenas vêm a luz e ignoram a cor, eliminando assim filtros AA e quejandos, o filme p&b vai para a gaveta.

    Um abraço

  6. 6 Valéria Sayão
    Janeiro 14, 2008 às 2:39 am

    Caros senhores, eu gostaria que, com as suas experiências, pudessem me orientar em uma escolha.
    Não sou profissional, mas tenho talento para fotografar e gostaria de escolher um modelo Nikon profissional para registrar o interior de ateliers de artes plásticas, objetivamente pessoas. E externas, grandes esculturas, museus…
    O ideal é que eu possa obter um equipamento de exelente qualidade, porém próprio para tal objetivo.
    Muito obrigada pela atenção.

  7. Janeiro 15, 2008 às 9:16 pm

    Valéria, este blogue não é comunitário, é um ‘one man show’.

    Mas agora a sério, obrigado pelo seu comentário. Se fosse eu a escolher, diria que a nova D300 com uma AFS 17-55/2.8 seria uma boa opção para começar. Depois completava este conjunto com mais dois zooms de elevada qualidade: o AFS 12-24/4 e o AFS 70-200/2.8. Tudo material de primeira escolha e que não a vai desiludir. Se tem algumas preocupações com o peso do zoom (pesa cerca de 1400 gramas!), eu diria para escolher uma AF 50/1.4 e uma AF 135/2. Repare que só escolhi objectivas de excelente qualidade e um corpo igualmente bom, as objectivas ainda têm a vantagem de serem bastante luminosas porque vai trabalhar em ambientes com pouca luz.

    Um abraço e se necessitar de mais ajuda diga.

  8. 8 Valéria Sayão
    Janeiro 22, 2008 às 8:25 pm

    Caro Mario,
    Foi muito gentil em me responder, obrigada.
    Gostei muito de sua sugestão e já estou providenciando o equipamento.
    Acho que terei outras curiosidades, mas aproveitarei a oportunidade que está me dando para esclarecê-las.
    Um grande abraço.

  9. Janeiro 23, 2008 às 9:36 am

    Valéria, quando tiver o equipamento, diga-me o que comprou, estou curioso para saber. Vou querer, naturalmente, ver algumas fotos por isso quando estiverem disponíveis, mande-me os links para a sua galeria.

    A melhor sorte para a sua actividade fotográfica e se necessitar da minha ajuda, estou à sua disposição.

    Um abraço.

  10. 10 luizcdaniel bonfim
    Janeiro 25, 2008 às 1:51 pm

    Bom dia, sou um brasileiro que estou no Japão há 3 anos e há 2 estudo fotografia, já tive D70s/D80/ F5, 70-200 e outros equipamentos Nikon que me roubaram aqui no Japao, mas depois de tudo isso comprei uma D200 e digo realmente, é uma maravilha muito melhor que as outras que tive, também tenho uma F6 mas me arrependi de comprá-la pois com a digital mesmo aps-c tenho um qualidade muito melhor que com filme, e discordo do amigo que ainda usa filme, tudo é bem melhor e mais rápido e mais barato com a digital e se o problema for a nitidez e só fotografar em RAW e pronto, assim que eu comprar minha D3 lhes mostrarei o que uma digital de verdade faz. Até mais e boas fotos.

  11. Janeiro 26, 2008 às 1:43 pm

    Luiz, fico à espera dessas fotos.

    Um abraço.

  12. 12 Valéria Sayão
    Janeiro 29, 2008 às 5:45 pm

    Olá, Mario!
    Com certeza você será o primeiro a ver as minhas fotos.
    Mas antes, preciso ultrapassar uma dificuldade.
    As lentes que me sugeriu, estou tendo dificuldades em encontrá-las.
    Você pode me indicar alguma revenda?
    Muiiiiiiito Obrigada.
    Abraços

    PS-O corpo da Nikon D300, tenho visto em torno de 3.319,00 euros aqui no Rio de Janeiro. É isto mesmo???

  13. Janeiro 29, 2008 às 10:06 pm

    Valéria, tente entrar em contacto com a Colorfoto (http://www.colorfot.pt) eles vendem para todo o mundo. É uma loja honesta e simpática, com bons preços e material Nikon sempre em stock. Estão também aptos a ajudar nas suas dúvidas.

    A D300 custa à volta dos 1.800/1.900 euros, penso que o preço que me indicou é exagerado para o que se vê.

    Um abraço.

  14. 14 Valéria Sayão
    Janeiro 31, 2008 às 1:26 am

    Mario, perfeito!
    Assim que tiver novidades te escrevo.
    Obrigada e um grande abraço.

  15. Janeiro 31, 2008 às 9:08 pm

    Valéria, fico a aguardar as novidades!

    Um abraço.

  16. 16 Evandro Vidéo
    Fevereiro 15, 2008 às 6:00 pm

    Caro Mário, foi com muita alegria que encontrei o seu blog, pois há muito eu procurava maiores informações sobre a D300. Não sou fotografo, mas sim o responsável pela área de TI aqui na empresa e, por isso, fico responsável por avaliar tecnicamente e financeiramente a compra de produtos de tecnologia.
    Trabalho em uma agência de publicidade e propaganda e estamos estudando a compra urgente de uma câmera digital SLR para substituir a nossa “velha e surrada” Sony F828.
    Um respeitável fotógrafo freelancer aqui no Amazonas recomendou a Nikon D300. O nosso fotógrafo disse que seria interessante trazermos três lentes: uma para o trabalho diário e com um alto intervalo focal, por exemplo a Nikkor 18-200mm f/3.5-5.6G ED-IF AF-S DX VR II; uma grande angular como a 12-24mm f/4G ED-IF AF-S DX Zoom-Nikkor; e, por fim, uma outra lente com grande intervalo focal só que com macro como a Sigma 28-300mm f/3.5-6.3 DG Macro.
    Mário, o que você acha? Trazendo essa câmera com essas lentes, nós conseguiríamos dar conta da maioria dos trabalhos na agência? Os trabalhos são, geralmente, fotos de modelos, produtos (carros, telefones celulares, computadores, etc.) e uma ou outra paisagem amazônica.
    Amigo, sei que fui muito extenso no assunto, mas realmente ficaria muito grato em saber a sua opinião.
    Abraços.

  17. Fevereiro 18, 2008 às 10:05 pm

    Evandro desculpe reswponder tão tarde mas aqui fica a minha opinião.

    1) fuja dos zooms não profissionais, a qualidade é inferior e os resultados são fracos.
    2) também a opção nestes zooms é fraca
    3) não percebo porque comprar duas lentes quase idênticas: a 18-200 e a 28-300.

    Assim, eu aconselho a Nikon 12-24/4 DX, a Nikon 17-55/2.8 e a macro 105/2.8 VR. A distância focal total vai desde os 18mm até aos 157mm. E ficam com boas lentes, o que vai permitir apresentar um trabalho de boa qualidade. Quando o dinheiro aumentar podem pensar numa 70-200/2.8 VR mas estamos já a falar de uma lente pró, cujo investimento tem que ser bem pensado.

    Espero ter ajudado.

    Abraço.

  18. 18 Evandro Vidéo
    Fevereiro 19, 2008 às 6:30 am

    Mário, muito obrigado pelas informações esclarecedoras.
    Vou fazer novas pesquisas sobre as lentes que você apontou.
    Peço sua permissão para postar novas dúvidas caso eu não entenda uma ou outra informação durante minhas pesquisas.

    Abraços.

    Evandro Vidéo
    Manaus – Amazonas – Brasil

  19. Fevereiro 19, 2008 às 8:30 pm

    Evandro, coloque aqui as suas dúvidas, terei o maior prazer em responder.

    Abraço.

  20. 20 Miguel
    Fevereiro 27, 2008 às 11:49 am

    Valéria Sayão
    Tente aqui para a D300, custa 1450 euros !
    http://www.fotocinecolor.com/catalogo/lista2.php
    Cumpts

  21. Fevereiro 27, 2008 às 7:20 pm

    A Fotocinecolor….não sei porquê mas nunca me inspiraram confiança, uma loja em Andorra que não envia artigos para fora da Europa, portanto não serve para a Valéria que é brasileira.

    Mas de qualquer modo, obrigado pela informação.

  22. 22 Américo Simas
    Março 11, 2008 às 2:01 am

    Antes demais quero felicitar todas as pessoas deste forum, e a qualidade de comentários os quais me identifico de uma maneira geral.

    Sou Nikonista hà 17 anos, 15 dos quais como Profissional. A minha primeira Câmara fotográfica foi uma 801, depois : F3 hp, FM2 T, F90 X, F5, na era digital: D100 e D2Xs. Para alem das objectivas da Nikon que foi comprando em função das minhas necessidades profissionais. Quando se trabalhava em analógico comprava-se uma câmara fotográfica que fosse ao encontro das nossas necessidades. A Nikon F5 por exemplo,foi a minha melhor máquina de trabalho, porque possuía uma robustez fantástica, e uma capacidade de resposta a dodas as solicitações e exigências de trabalhos fotográficos, esta relação durou 6 anos. E só foi interrompida pela transformação do mundo digital.
    E é neste capitilo que aqui venho falar e exprimir a minha opinião. Se há mercados que exigem uma grande capacidade de resposta obrigando as marcas a evoluir tecnológicamente de forma a dar resposta ás suas necessidades, esse mercado chama-se “fotojornalismo” e é o desporto neste sector aquele que mais tem provocado uma grande evolução em matéria de tecnologia de ponta. Neste sentido penso que a Nikon perdeu muito terreno em relação à sua eterna rival ” Canon “. Por exemplo: quando a Canon lançou no mercado as suas potentosas tele objectivas com o sistema de foco ” Ultrasonic ” com o motor de foco incorporado na própria objectiva, a Nikon continuava com as suas lentes obsoletas com o seu autofoco acionado por um veio de transmissão, provocando uma focagem muito lenta. E foram em parte estes tipos de problemas que fizeram a Nikon perder muitos profissionais para a Canon. A Nikon só abriu os olhos com o aparecimento das AFS que no fundo é o mesmo sistema da Ultrasonic da Canon.
    No Digital : É frustrante o facto de se dar quase 5000 euros por uma topo de gama como a D2Xs e passados 2 anos aparecer uma D3 completamente revolucionária pelo mesmo valor ou mais baixo . Eu concordo que a evolução das coisas é algo de natural. Mas por exemplo, não consigo entender muito bem a política da Nikon quando lança para o mercado uma câmara de 4 milhões de pixeis como a nova D2Hs que custa quase o preço da D2X que tem o triplo da qualidade com os seus 12 Milhões.
    D3 e D300: A D300 é uma D2Xs evoluída no que diz respeito ao ruido, e no processamento da imagem. A D2Xs a 12 Milhões de pixeis por exemplo, faz 5 fotos por seg. para ir às 8 FPS, tem que reduzir a qualidade para 6 milhões de pixeis através do recorte de alta velocidade passando o factor de conversão a 2. A D300 com o motor opcional MB D 10, faz 8 FPS a 12 milhões de pixeis e consegue uma capacidade de gravação em jpeg até 100 fotos seguidas. Para além de tantas outras tecnologias. Por isso temos uma D300 por quase metade do preço da D2Xs com uma performance superior. “Factor de conversão 1.5”, Já muito se falou aqui neste problema, de facto para quem tem por exemplo uma 17 mm só poder contar com uma 25,5mm é no minimo frustrante, mas também ter para desporto uma 300 mm em vez de 200, ou uma 450 mm em vez de uma 300 dá um grande jeito, principalmente quando não se tem 10 000 euros ou mais para dar por uma 400 mm 2.8. Há de facto prós e contras.
    D3: Que ninguem duvide que esta câmara irá revolucionar o mercado e convencer os mais divididos. A Nikon finalmente Encontrou o caminho certo dando de volta tudo aquilo que o digital tinha tirado em relação às lentes. A palavra full frame vai finalmente desaparecer do vocabulário digital e repor a naturalidade das coisas. Mas a grande diferença desta D3 em relação ao 1.5 não está só no tamanho do full frame, mas na suberba qualidade do novo ficheiro FX. São apenas 12,1 megas, mas o ruído quase não existe a 6400 ASA. Dá para imaginar o potêncial fotográfico não dá? Muito Obrigado a todos. e desculpem lá este testamento.

  23. Março 12, 2008 às 10:33 pm

    Américo faço só uma pequena correcção, isto não é um fórum mas com o número de comentários nesta entrada já se começa a parecer, é um blogue pessoal e escrito apenas por mim.
    O seu ‘testamento’ é importante e demonstra vontade em partilhar informação e conhecimento, o que é optimo para todos nós que não somos profissionais. E gostei de o ler.

    Eu nem quero por as mão na D3, sabe deus se resisto à tentação e não puxo do cartão. Agora a sério, a D3 veio trazer uma lufada de ar fresco ao mercado, hoje full frame já não é sinónimo de Canon e dentro de pouco tempo temos aí a Sony com o seu sensor de 24Mp, grandes notícias virão até ao final do ano. Mas isso sou eu a adivinhar mas acho que a Photokina deste ano vai ser excelente…

    Américo, volte sempre para partilhar as suas experiências.

    Um abraço,
    mário

  24. 24 Rita Coutinho
    Março 19, 2008 às 2:29 am

    Olá
    Comprei a minha D300 há uns dias. Antes tive FG, FG20, EM, FM2, F3, F3T, AF501, 801s e F4s.
    A D300 é a minha entrada nas SLR’s digitais.
    Até agora, apenas vos posso dizer uma coisa: estou absolutamente fascinada com a máquina, e só a comprei depois de ler muita, mas mesmo muita coisa sobre ela. E fiquei contente por ver que, practicamente toda a informação que reuni é verdadeira. A D300 é uma máquina de sonho, com capacidades incríveis associadas a um corpo extremamente robusto e com uma ergonomia fantástica. Detalhes contra, sempre haverá alguém que os aponte. Quem quiser uma máquina deste nível, recomendo vivamente a sua compra.

  25. Março 23, 2008 às 7:32 pm

    Rita, que coleção de Nikon’s! Só uma pergunta: ainda as tem todas?
    Espero que a sua experiência com a D300 seja excelente, espero que a partilhe com todos nós. Fico há espera…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


mário venda nova

contactos:

tlm 965 275 830

skype: elogiodasombra

"eu não quero saber se sou o primeiro a dar a notícia, só me preocupo em ter a informação correcta e fazê-lo bem. Essa é uma pressão diária."

larry king

trabalhos pessoais


mariovendanova.com
[este é o meu sítio pessoal onde estão os meus projectos já consolidados e acabados]

in every kind of light
[aqui estão os rascunhos dos meus projectos correntes e inacabados]

publicação de fotos

todas as fotografias pertencem aos respectivos autores assinalados e são publicadas apenas no estrito interesse do comentário e crítica sobre fotografia.

recursos


Loja 'o elogio' na Amazon
[larga variedade de livros de e sobre fotografia. se comprar via este link recebo uma pequena percentagem.]

Loja 'o elogio' na Amazon.com (EUA)
[igual ao link acima mas para a loja da Amazon EUA, de todas as compras continuo a receber uma pequena percentagem.]

Monochrom
[loja boutique, com artigos que não se encontram noutras lojas. os pápeis de impressão fine-art são bons.]

arquivo

stats