25
Jul
08

As ferramentas certas para cada tarefa…

Quem gosta de bricolage sabe que não pode usar uma picareta para pregar um prego nem um alicate para fazer um furo. Mas se aceitamos este facto de que para cada tarefa existe uma ferramenta correcta porque razão aceitamos que o mesmo princípio não seja aplicado a tudo o que fazemos, incluindo a fotografia?

De facto hoje discute-se imenso – e perde-se imenso tempo a fazê-lo – sobre as vantagens do equipamento ‘a’ ou ‘b’ mas esquecemo-nos de um factor importante: se o equipamento se adapta às nossas necessidades. Não interessa se o desejo está acima das necessidades, aqui estamos no campo das necessidades e aí precisamos de perceber se a lente/câmara que vamos adquirir é de facto aquilo que precisamos. E hoje vamos falar sobre duas ferramentas: as câmaras e a exposição online.

Hoje os sensores full-frame estão aí, após várias iterações em câmaras de topo, e chegam à gama média. Criou-se a expectativa que estes sensores seriam o ‘santo graal’ da fotografia digital e o mercado mendigou-os até à exaustão – incluindo eu – e claro que as marcas trataram de fornecer aquilo que o mercado quer e que comprará. Mas será o full-frame a panaceia para todos os males da fotografia digital, o remédio santo que todos os males vai curar? Talvez…
Vamos por momentos pensar no seguinte: um sensor aps-c permite construir lentes mais pequenas, mais leves, câmaras mais compactas e permite – para a mesma resolução – uma densidade de pixéis maior e que permite assim cortes maiores no enquadramento sem perda significativa de qualidade. Permite também transformar uma 70-200/2.8 numa 105-300/2.8, embora com a profundidade de campo de uma lente f4, que se torna numa ferramenta (lá está esta palavra outra vez) extraordinária para os fotógrafos de vida selvagem. Agora pense que esta lente custa (Canon ou Nikon) à volta dos 1.900€ e que uma lente equivalente em full-frame deve custar à volta de 4.000€…
Os sensores mais pequenos têm outra vantagem para os fotógrafos de natureza: permite fazer macro a 1:1.5 com a mesma lente que permite em full-frame chegar apenas à ampliação 1:1 e a razão é simples, a ampliação é multiplicada pelo factor de conversão do sensor. Se tiver uma lente 1:1 e o seu sensor tiver uma ampliação de 1.6x, a sua ampliação passa para 1:1.6, para conseguir isto em full-frame precisa de acessórios ou re-enquadrar na pós-produção.
Mas em paisagem ou cenas com luz fraca onde é necessário utilizar elevadas sensibilidades ISO, então os sensores full-frame podem apresentar vantagens que não estão disponíveis aos sensores mais pequenos exactamente por causa do factor de ampliação e do seu ruído inerente à sua densidade de pixeis mais elevada. Um sensor full-frame é também imbatível na transição das zonas focadas para as zonas desfocadas, com transições mais naturais e que tiram partido das lentes com aberturas maiores – tipo. f1.4, f1.8 ou f2 – e permitem um uso mais criativo da profundidade de campo.

Como vêem não há uma ferramenta que faça tudo, se calhar chegará a seu tempo ao mercado, mas neste momento cabe a cada um perceber o que quer mas sobretudo para que quer. Disto isto um combo Nikon D300/D700 ou Canon 5D/40D parece-me uma proposta interessante para cobrir as necessidades de um fotógrafo exigente e que não queira empatar 7.700€ numa câmara de topo. Por uma fracção significativa de preço podemos ter o melhor de dois mundos, podemos vender uma das câmaras se assim o desejarmos e em caso de surgir novos equipamentos a desvalorização nunca é tão grande. Sejamos francos, hoje em dia a menos que seja um profissional e os 300.000 disparos que um obturador da Nikon D3 aguenta e mais uma ou outra função mais específica sejam essenciais, uma D700 é uma opção muito mais interessante.

Mas se agora passarmos para a forma como comunicamos com quem quer ver o nosso tranbalho verificamos que os mesmos principios devem ser aplicados. Um blogue, um fotoblogue, um sítio de partilha online e uma galeria personalizada não são a mesma coisa nem podem ser usadas para o mesmo fim.
Um blogue é uma forma extraordinária de transmitir conhecimento, partilhar opiniões e mostrar o que estamos a fazer, é uma forma simpática de trazer até ao público as nossas opiniões, sobre o nosso trabalho ou de outros fotógrafos. Bons textos de opinião sobre fotografia, equipamentos e aqueles pequenos pormenores que fazem do fotógrafo uma pessoa – desde o livros que lê até aos filmes que vê – podem servir para o conhecermos melhor e assim manter o contacto. Um fotoblogue é um pequeno apontamento visual, um diário em imagens onde um fotógrafo colocas as imagens que vai produzindo, ainda em estado bruto em termos de escolha – não quer isto dizer que seja uma segunda escolha – e onde podemos ver a evolução de determinado projecto e/ou sessão. É também uma excelente forma de poder dar a conhecer imagens e o processo de selecção das mesmas, por confronto com a sua galeria personalizada, e de dar ao público algo que lhe possa ‘abrir o apetite’ para a selecção final, já com as fotos devidamente escolhidas e editadas. Um sítio de partilha online pode perfeitamente substituir o fotoblogue desde que o fotógrafo não se importe com a falta de personalização que é inerente a este tipo de sítios e pode ainda aproveitar os mesmos para de uma maneira simples apresentar aos clientes as fotografias de determinada sessão de forma que o cliente acompanhe o trabalho efectuado. Um sítio de partilha online é também um excelente recurso de backup de imagens, disponível online e portanto acessível em qualquer lugar – desde que haja uma ligação à rede global – e que em caso de acidente podemos aceder para recuperar jpeg’s de alta resolução, uma solução interessante dado que mesmo com a capacidade dos discos rigídos a aumentar e os preços a cair é sempre uma questão de quando é que um disco vai falhar e nunca se vai falhar, pode demorar mas é inevitável que aconteça. Finalmente chegamos à galeria, um espaço por excelência para mostrar o nosso trabalho. Aqui pede-se bom design, funcionalidades interessantes e que seja um mostruário do nosso melhor trabalho, aqui não há lugar de segundas escolhas, ou é bom ou não entra. Um logótipo será interessante mas não essencial mas uma página com a informação sobre o fotógrafo e o que o motiva e porquê é essencial. É a porta principal para as nossas melhores fotografias e por isso deve ser um espaço que mostre sem hesitações quem somos e o que fazemos, de uma forma sóbria e muito profissional.

Para cada tarefa há uma ferramente que a executa da melhor forma e com maior eficácia, compete a quem a executa a escolha da ferramenta – a eficaz e não outra – e a execução completa do trabalho. Da mesma forma que não pinta uma casa com um pincel de aguarela não faz uma fotoreportagem eficaz com uma máquina descartável. Apesar de em arte tudo ser admissível a escolha da ferramenta utilizada limita o resultado final e, no caso de não ser a mais eficaz, desvia-nos da nossa visão e retira-nos o controlo sobre o trabalho.


0 Responses to “As ferramentas certas para cada tarefa…”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


mário venda nova

contactos:

tlm 965 275 830

skype: elogiodasombra

"eu não quero saber se sou o primeiro a dar a notícia, só me preocupo em ter a informação correcta e fazê-lo bem. Essa é uma pressão diária."

larry king

trabalhos pessoais


mariovendanova.com
[este é o meu sítio pessoal onde estão os meus projectos já consolidados e acabados]

in every kind of light
[aqui estão os rascunhos dos meus projectos correntes e inacabados]

publicação de fotos

todas as fotografias pertencem aos respectivos autores assinalados e são publicadas apenas no estrito interesse do comentário e crítica sobre fotografia.

recursos


Loja 'o elogio' na Amazon
[larga variedade de livros de e sobre fotografia. se comprar via este link recebo uma pequena percentagem.]

Loja 'o elogio' na Amazon.com (EUA)
[igual ao link acima mas para a loja da Amazon EUA, de todas as compras continuo a receber uma pequena percentagem.]

Monochrom
[loja boutique, com artigos que não se encontram noutras lojas. os pápeis de impressão fine-art são bons.]

arquivo

stats