28
Abr
09

limpeza do sensor.

Daqui…limpeza-2…até aqui…limpeza-1…numa hora.
As duas imagens que vêem são imagens do sensor aps-c da Nikon D200 antes e depois de ser limpo, apesar das diferenças do balanço dos brancos é notório o lixo no primeiro fotograma. Limpar esta borrada demorou-me uma hora e várias limpezas com vários produtos:
1) um soprador de ar para desalojar as partículas menos agarradas ao sensor;
2) um pincel Artic Butterfly da VisibleDust para remover aquilo que o soprador não conseguiu desalojar;
3) um conjunto GreenClean;
4) resmas de paciência;
5) muita calma;
6) e uma dúzia (certa) de fotografias.

Como vêem há mais na fotografia do que imaginam…

Anúncios

3 Responses to “limpeza do sensor.”


  1. Abril 28, 2009 às 1:08 pm

    Olá Mário
    A limpeza dos Sensores das Máquinas é um tema que às vezes é um pouco esquecido.
    Gostei de ver o teste que fizeste, todavia, muito boa gente há que certamente nunca viu o “lixo” que tem no sensor. E isto, porque não sabe como fazer para que ele se torne visível.
    A teste que fizeste demonstra de forma clara a poeira existente no sensor. Esqueceste-te, porém, de dizer que certamente, digo eu, fizeste esse teste, para tornar visível o “lixo” do sensor captando uma fotografia com uma objectiva montada na máquina, provavelmente virada para uma folha em branco, usando uma abertura o mais pequena possível e mexendo com a máquina durante a captura para que não se confundissem as partículas de pó existentes no sensor com qualquer textura da dita folha.
    Quanto á limpeza em si, o ideal será “perdermos a tal hora” o menos possível.
    Podemos fazer um pouco por isso se tivermos em conta certos cuidados.
    A altura em que é mais provável entrar “lixo” para os sensores das máquinas é aquando da mudança de objectivas. Assim, se nos for possível trocar de objectiva protegendo o corpo da máquina de vento designadamente em ambientes poeirentos já estamos a diminuir um pouco essa probabilidade. Outro cuidado que, pessoalmente, com frequência tenho, é com o tal soprador que falaste, limpar a zona do espelho e posteriormente o sensor. Claro que tudo isto tem de ser feito com a câmara apontada para o chão. Caso contrário estamos a espalhar o pó por todo o sensor ficando ele na mesma retido na zona do sensor/espelho. Desta forma quanto menos pó “andar” nesse espaço menos provável é de ele ficar “colado” ao sensor.
    1 abraço

  2. Abril 30, 2009 às 2:01 pm

    Eu fiquei precisamente curioso em relação ao modo como foram feitas as fotografias…
    Dá para explicar?

    Obrigado.

  3. Abril 30, 2009 às 5:45 pm

    Limpar o sensor é, nas primeiras vezes, uma autêntica dor de cabeça. Hoje (e cinco anos depois da primeira vez) tudo é mais simples: muitas máquinas já possuem sistemas de limpeza (de eficácia discutível em muitos casos) e existe uma quantidade enorme de acessórios que facilitam e reduzem o tempo da operação.

    Sei que fujo um bocadinho ao processo standard… mas eu salto quase sempre o passo da pêra de ar no espelho. Baste um descuido e um sopro mais próximo dos bordos do despolido e “empurro” lixo para a parte de trás deste (na realidade, fica entre o prisma e a outra peça de plástico que está antes do despolido), ficando muito visivel através do visor… o que me irrita ainda mais do que uma ou duas manchas clonadas na imagem.
    :)

    De qualquer forma os acessórios sem os quais nao passo são a lupa (da visible dust) e o Artic Butterfly (que é milagroso… e substitui um pincel “não-motorizado” que era carregado estaticamente com uma lata de ar comprimido). Quando não é suficiente passo para a solução húmida com os “sensor swabs”.

    Depois existem ainda muitos outros processos menos ortodoxos como o aspirador doméstico com uma canula adaptado para a limpeza de sensores ou o velho “ajax limpa-vidros” e cotonetes… Já vi usarem os dois sistemas e os resultados são fantásticos. Mas a ideia de ter ajax no sensor da d3x arrepia-me…

    Além das recomendações do comentário anterior, acrescento outra (talvez algo paranóica): as minhas máquinas são sempre guardadas e transportadas “de cabeça para baixo”… Acho que de alguma forma reduzo a quantidade de lixo que vai ficando no sensor. Funciona? Eu acho que sim… mas pode ser só paranóia minha!!

    Um abraço,

    m


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


mário venda nova

contactos:

tlm 965 275 830

skype: elogiodasombra

"eu não quero saber se sou o primeiro a dar a notícia, só me preocupo em ter a informação correcta e fazê-lo bem. Essa é uma pressão diária."

larry king

trabalhos pessoais


mariovendanova.com
[este é o meu sítio pessoal onde estão os meus projectos já consolidados e acabados]

in every kind of light
[aqui estão os rascunhos dos meus projectos correntes e inacabados]

publicação de fotos

todas as fotografias pertencem aos respectivos autores assinalados e são publicadas apenas no estrito interesse do comentário e crítica sobre fotografia.

recursos


Loja 'o elogio' na Amazon
[larga variedade de livros de e sobre fotografia. se comprar via este link recebo uma pequena percentagem.]

Loja 'o elogio' na Amazon.com (EUA)
[igual ao link acima mas para a loja da Amazon EUA, de todas as compras continuo a receber uma pequena percentagem.]

Monochrom
[loja boutique, com artigos que não se encontram noutras lojas. os pápeis de impressão fine-art são bons.]

arquivo

stats